quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O que é estilo?

Glória Kalil, "ter estilo está mais na moda do que a moda."

Desde criança eu sempre fui às avessas. Um dia mamãe inventou de comprar aqueles enfeites que todas nós tínhamos de gesso em formato de sapatilhas, nome, bailarinas, etc. eu protestei: "Não quero rosa, quero verde!" Meus enfeites favoritos eram um casal de passarinhos que meus gatos fizeram o favor de quebrar uns meses atrás e um sapinho. Verdes!!!! Por favor!!!!

Na adolescência meus pais com ajuda de um crédito estudantil da antigamente estatal CVRD me matricularam num colégio no Bairro Nobre. Eu olhava todos os alunos com suas mochilas Company, Tênis da Nike, Camisas da Alternativa (nooooooooooossa, essa é bem velha) e achava muito chique aquilo tudo. Mas estava definitivamente fora de questão gastarmos com aquelas grifes. Usava tênis e jeans comprados na CoopDoce (cooperativa da Vale, o mais próximo do que hoje chamados de Carrefour, porém com preços muito interessantes). Minhas amigas achavam graça, eu era definitivamente a diferente da escola. Nunca na vida sofri Bullying. Eu fazia graça de tudo e cheguei a levar várias amigas para excurções no "meu hipermercado favorito". Talvez por questões financeiras mesmo passei a tentar chamar a atenção com outras coisas, adotei o estilo "clássico"! RS! Customizava mochilas, jeans, camisas e segui a minha adolescência sem nenhum problema maior. Meus meninos "favoritos" por quem eu suspirava pelos corredores e enchia de corações os cadernos, nunca foram os mais bonitos, nem os mais populares, eram sempre os "surpreendentes"! Ok, ok, ok... eu já me rendi à moda sim, fui Paquita um dia!

Quando escolhi para qual curso iria prestar o vestibular, não escolhi nenhum curso badalado, aqueles onde se estapiavam todas as minhas amigas. Fui a única a prestar biologia. Já na faculdade escolhi estudar aves e não genética como era a moda no curso, o status... Conclui o curso mas optei mais uma vez em ser "do contra", larguei o que poderia se tornar uma carreira promissora e estável (moda necessária para alguns até hoje) para embarcar mais uma vez no desconhecido, no novo, no diferente! Tocar a empresa da família que passava por visíveis problemas administrativos (por que não escolhi administração na faculdade?).

Na época as decorações eram mesas compridas, com muitas peças... mini cidades, mini fazendas, luzinhas... toalhas de tecido, painéis pintados... Feio? De jeito nenhum!!!! Era lindo e eu amava criar cada detalhe junto com meus pais. Porém, com o surgimento dos buffets ficou claro que a decoração se perdia naquele mega espaço e era necessário sim crescer. Mas crescer como? Pra onde? Começamos a criar cenários no chão, onde a criança pudesse sentar pra fotos, passar a mãozinha no porquinho... Era o nosso diferencial! Descobrimos a cenografia e as ideias borbolhavam na minha cabeça: eu quero um barco, um castelo, uma casa... coisas que possam ser tocadas e sentidas. Neste dia descobri que estava no caminho certo, que era disso que eu gostava. Transportar as pessoas para dentro de seus próprios sonhos!!!

Os balões vieram para somar e com eles descobri que nada é impossível! O céu é defnitivamente o limite!!!!!

Quando fiz a nossa primeira festa de bailarinas, quase 7 anos atrás, não existia festa provençal. Posso dizer aqui pra vocês e assino embaixo!!!! Eu encasquetei com uma cadeira e um aparador Estilo Luiz XV (ou seja lá que Luiz foi) e sai por lojas de móveis antigos atrás de uma até que encontrei também um espelho antigo jogado lá no fundo, abandonado! Lindo de viver!!!! Quando eu disse ao dono da loja que iria usar as peças numa festa de criança ele achou que eu era louca. Ainda mais quando eu disse que iria pintar de branco. Minha estante e as mesinhas da mesma festa, arrematei na vitrine de uma loja de decoração de interiores aqui em Vitória. Nem estavam à venda mas eu enchi tanto a paciência da pobre da dona da loja que ela me vendeu as peças. E foi lá que eu descobri (no canto do papel) um importantíssimo fornecedor do sul do país que mobilha os quartos de zilhões de bebês. A festa foi um sucesso e o é até hoje. Mas era diferente de todas as outras que eu tinha e por isso, achava bacana.

Hoje o que acontece é que o provençal e o clean tomou conta do mercado das festas infantis, nada contra, absolutamente, já disse isso aqui outro dia. Mas acho que só isso não me faz feliz. Não me completa, não me inspira!!!

Por isso que eu tenho tentado mais uma vez fazer o caminho mais longo, mais difícil, porém, muito mais gratificante!

Não pretendo ser mais uma decoradora na multidão (estou fazendo um censo e em breve conto pra vocês quantas centenas somos aqui na Grande Vitória) mas a garota diferente e interessante (e nada modesta) que sempre fui! A pessoa curiosa que me orgulho tanto de ser!

Se eu parar de ser eu mesma para ser alguém que não sou, me apropriar da ideia de outras decoradoras que tem seus estilos, deixarei de ser quem sou! Deixarei de ter minhas queridas psicoparties que me seguem, me ouvem, me amparam e me estinulam!

Não me abandonem jamais!!!!

Só pra concluir mais este desabafo, a melhor definição que encontrei, do Blog: Meu estilo é assim!

"Enquanto a moda é algo que se compra e que muda a cada estação, o estilo não depende de dinheiro, não é passageiro e não pode ser copiado. Inspirar-se no estilo de alguém é interessante e útil quando se está em busca do próprio estilo ( significa que você se identificou com aquela pessoa por alguma razão); mas imitar o estilo alheio é correr o risco de passar uma imagem artificial, de alguém que você não é. Ter estilo é ser fiel a si mesma. Você tem características únicas, detalhes que são só seus, que fazem de você a pessoa especial que é e com um estilo próprio!"

Beijos enormes cheios de estilo em todos vocês e até o próximo post!

Mary
www.sonhodecriancafestas.com.br

P.S.: Pra quem estava viajando e chegou agora, este é o terceiro post que eu faço esta semana, voltei super empolgada do carnaval! Amanhã, se der tempo posto outra festa, com tema Mickey!
 

6 comentários:

Anônimo disse...

Como sempre .... Fera em suas palavras !!!!!!!!!!!
Siça

Alessandra disse...

Ahh... Eu fazia super compras na Coopervale, adorava andar de graça no trem, fazer passeios na Vale e o Natal da Aert. Tbm estudei com bolsa da Vale... Gente temos muita coisa em comum... Hahahahah... Brincadeiras à parte, não me canso de parabenizar seu trabalho e dizer o quanto vc e sua equipe fazem inesquecíveis os momentos mais importantes de nossos pequenos! Eu não te abandono kkkkkkkkkk

Alessandra disse...

Ahh... Eu fazia super compras na Coopervale, adorava andar de graça no trem, fazer passeios na Vale e o Natal da Aert. Tbm estudei com bolsa da Vale... Gente temos muita coisa em comum... Hahahahah... Brincadeiras à parte, não me canso de parabenizar seu trabalho e dizer o quanto vc e sua equipe fazem inesquecíveis os momentos mais importantes de nossos pequenos! Eu não te abandono kkkkkkkkkk

Alessandra disse...

Eu Tbm fazia compras na Coopedoce, estudava com bolsa da Vale, mas aposto que assim como eu vc devia adorar andar de trem, passear na Vale e dos natais da Aert...puxa, acho que temos muito em comum! Brincadeiras à parte, não me canso de te parabenizar pela profissional que é... Vc e sua equipe fazem os momentos dos nossos pequenos inesquecíveis! Eu é que não te largo kkkkkkkk beijo!

Andrêa disse...

curti muito suas palavras...vc é muito autentica !

Thalita Zottele disse...

Puxa... acabei de ler este post e cheguei a seguinte conclusão: se você não quiser mais ser bióloga e nem empresária, poderá certamente ser escritora. Sério! O seu texto é envolvente, com riqueza de detalhes e sua opinião: única e verdadeira! Por esse e outros motivos que a empresa SONHO DE CRIANÇA é esse sucesso e uma empresa nada comum! Bjão Thalita.